sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Então eu vou lhe cortar a cabeça, Maria Chiquinha



Parafraseando o tenente Bill Kilgore, de Apocalypse Now, adoro o cheiro de corpo sangrando pela manhã. Não adorava até esta manhã. A partir de agora adoro.
Tenho uma mulher linda. Tinha. Quer dizer, ainda tenho só que no momento ela se encontra um tanto... fria.
Fria e tão bela como eu nunca tinha visto. Como o contraste da pele, a cada minuto mais branca, com o vermelho do sangue lhe esvaindo da garganta lhe cai bem. Sem contar os mamilos intumescidos (parece um tanto doentio, mas creio que ela sentiu algum prazer enquanto agonizava) apontando para o céu, talvez o lugar onde ela esteja agora. Talvez não. Talvez esteja no inferno, ou simplesmente desaparecido. Reflexões do pós-vida nunca me tomaram muitos esforço dos neurônios, até que a morte lhe confronte desta maneira. Mesmo que seja a morte alheia. Mesmo que tenha sido eu a confrontá-la.
Não faço ideia do motivo pelo qual fiz isso. Minha mulher, além de linda, era maravilhosamente amorosa, companheira e, até onde eu saiba, fiel. Simplesmente num momento de ira não hesitei em transpassar-lhe um estilete na garganta. Ela sangrou e tentou gemer por longos e prazerosos (pelo menos para mim) 12 minutos. Exatos.
Fiquei excitado vendo aquela cena, confesso. Ela ali, nua, as carnes rijas se contorcendo na falta de ar, os cabelos loiros misturados ao sangue que lhes tingia. Sempre pedi que ela pintasse o cabelo de ruivo, mas ela disse que achava vulgar. Vendo ali, tive que concordar. Não acho vulgaridade algo ruim, mas ela achava. Bom, mais um desejo que fiz ela realizar, só que desta vez sem lhe dar muita opção.
Bom, como ia dizendo, fiquei excitado vendo ela ali fria e morta. Senti vontade de me masturbar, porém achei que seria um pouco de falta de respeito com um momento tão sublime entre nós.
Sabe que, quando percebeu o que tinha acontecido, ela me olhou, mas não parecia chateada, sequer surpresa. Parece que sabia que, hora ou outra, eu faria algo do tipo. Não que eu tenha cara de bandido, nem me comporte como um. Não. Estou mais para nerd do que para bandido. Se bem que acho que por baixo de cada óculos de cada nerd tem um assassino em potencial. Não sei, apenas uma teoria. E isso se aplica aos nerds que não usam óculos também, pensemos que usam óculos imaginários, certo?
Então, ela não se surpreendeu, não reagiu, nada. Claro que ela não tinha muitas opções de reação mas, nos filmes, as vezes pessoas com gargantas cortadas tentam até matar seus assassinos. Acho que isso tirou um pouco da beleza do acontecimento. A falta de reação e de uma trilha sonora. Ah, uma trilha sonora iria bem. Acho que vou colocar uma música. Não, agora não. Preciso me livrar do corpo, pois assassinar alguém que amava até posso fazer, agora ser preso está fora de cogitação.
Mas o que fazer com o corpo meu Deus, o que?
Decidi botar, sim, uma música. Echoes, do Pink Floyd foi a pedida. Além de achar que o fato de ser bela e soturna em determinados momentos, o que combina em muito com a situação, ela me daria belos vinte e cinco minutos de tempo para pensar.
E eis que, com a ajuda de Waters e Cia, tive uma epifania: moramos no décimo sexto andar, porra! Simulo uma briga e atiro-a lá de cima, legítima defesa. O fiz. Espalhei algum sangue, meu e dela pela casa e defenestrei-a. Pronto.
Mas o problema de uma epifania é que normalmente elas vêm em seqüência. Dei-me conta que havia cortado a garganta dela antes. Obviamente qualquer legista meia boca saberia que isso já havia ocorrido antes da queda, e que ela já estava morta muito antes de tocar o solo.
Sem saber o que fazer, olhei pra baixo e percebi: ela tinha caído de bruços, suas nádegas nuas e bronzeadas apontadas para mim. Num misto de desespero e excitação, me atirei, também nu agora, em direção a ela. Este seria nosso último coito.
Talvez o próximo seja no inferno...

23 comentários:

Igan Hoffman (fazendo o impossível) disse...

Legal, também já pensei em fazer isso, até já descrevi um assassinato, não tão maluco quanto o seu, mas a punhaladas... Bacana cara, vc tem espírito para ser ruim. Escreve um romance de serial Killer, iria ser best-seller...
ABraços
http://diariodeigan-h.blogspot.com

disse...

Caralho bicho, muito bom, muito sinistro, tens uma mente pertubada e doentia atrás dessa linda face ehim? vou parar de falar com vc, é sério, se eu ganhar essa cana ai pode ser maracuja joinville mesmo hehhe

disse...

Outra coisas, ele pulou de pau duro? ehhehhe

Marcos Medeiros disse...

Sinistro o post e interessante. Será que dá pra considerar o momento da ira dele outra epifania?

Elis Mazzucco disse...

Se eu fosse a Vivi ficaria longe de ti, ou no mínimo dormiria com uma faca debaixo do travesseiro.
O imaginação fértil, comesse a escrever roteiros de terror ia se sair muito bem.
Só troca o UÍSQUE POR TEQUILA!

Pricila disse...

Mto legal teu texto, hihi...Ai que meedo, rsrs...Zé, tu tem talento pra coisa tua imaginação é soda, hihi.
Abraços cumpadre

Ramombob disse...

Achei engraçado a parte "suas nádegas nuas e bronzeadas apontadas para mim" kkk. ótimo texto, zezito, como sempre. Aliás, acho q ja li mençoes a musica "Echoes" em outros textos teu, só naum lembro qual. Um abraço!

Viviane disse...

Você é um gênio na criatividade! ...E como nunca existiu um gênio sem uma pitada de loucura... rsrs.. Adorei o texto, como também curto muito todos os textos que vc faz. Bjus

Kelvim Vargas Inácio disse...

Excelente texto... Muito passional!
Continue nessa linha!
Aquele abraço!
http://arfh-arfh.blogspot.com

Mazon disse...

bitcho! massa o texto, mas cara, o que teria o motivado? Deve existir muitos caras imaginando um jeito de fazer o mesmo...

Jean Carlos disse...

Zézinho estou com medo e você e ao mesmo tempo feliz, por ter encontrado uma pessoa que compactua com os meus pensamentos!

Mariana_Lm disse...

M.E.D.O. hahahah é sério
Gostei dos detalhes do texto e tbm da menção ao pink floyd :D
Abraaaço zé, continue a todo vapor com o blog :D

Lany disse...

Zé,antes vou ler o resto dos posts do blog porque este,em especial,tá bem legal e me instigou.Mas,já que vale um whisky,comentei,certo?!
hahahah

Halana Xalana disse...

Parabéns filho, ótimo texto.

Joaquina disse...

Tô desde ontem esperando por uma epifania pra comentar aqui, mas não tá dando certo. Então comento sem ter muito o que dizer, além de que o texto ficou bom, se tu não tiver intenções de fazer isso de verdade, é claro.

Henrique Mazon disse...

Pod cre...Ja to concorrendo né?
O teu blog esta muito bom, falo zezito.

Att Matheus Querino. disse...

Texto maneiro, no começo até pensei que tu fez isso com tu mulhé velho haisudiusahd já da para escrever um documentario sobre assasinos! :) abraço

Eduardo Goulart disse...

Tirando a mamilobússola,já dá pra fazer uma letra de Death Metal.

Vic disse...

wow, texto foda, zé!
achei que ia ter outro final, mas esse ficou muito bom! :D
e muito boa tbm a escolha da musica! iuadhuash

Alyson Antunes disse...

Zé, isso é melhor que cometer um assassinato, hehe. Cara, se continuar assim, tu vai preso. kkkkk
Brincadeiras a parte, parabéns pelo crime.

Alyson Antunes

bruna disse...

Medo de ti agora, gente crédo, coitada da mulher!
O texto ficou ótimo, muito bom, mas.. caramba.. tu ficou excitado vendo ela sangrando e gemendo por longos e "prazerosos" 12 minutos! Isso é coisa de psicopata! IAUAHAUI

Toninho do Diabo disse...

Massa Zé, aqui uma abraço do seu amigo, Toninho.

Flavia Melissa disse...

E não é que o menino tem um quê de Nelson Rodrigues? Inveja de não ter sido eu a escrever esse post!

Uns beijos :)