segunda-feira, 8 de setembro de 2008

EMOlândia



Os Emos estão dominando o mundo. Cérebro, se soubesse que isso aconteceria, teria formado junto com o Pink a primeira banda emo.
Ontem fui ao shopping tomar um chope chapado chupando chup-chup, e, quando cheguei, confesso que fiquei amedrontado: a praça de alimentação era monopólio emo. Conversei com minha namorada e fomos embora, por que algo pudesse entrar em meu estômago sem efeitos colaterais com aquele cheiro de laquê firmador de franjas.
Outro sintoma claro é o nosso próprio idioma: os casos de Emo-rróida vêm se multiplicando. Ninguém mais sangra, todos têm Emo-rragia. Não posso mais ficar emocionado, por que isso agora é uma exclusividade emo. Só eles podem chorar cm propriedade, como quem dedicou a vida toda a chorar com estilo, com toda a pompa, e nós somos não-iniciados.
O cenário musical também vem sendo facilmente dominado por eles. Mas o que ocorre é um fenômeno estranho: eles têm vergonha de sua própria condição, e nenhuma das bandas emo (Fresno, NX Zero, e eu diria até CPM 22) gostam de ser rotuladas como tal. Queriam ser chamadas do que, de bandas de rock progressivo, alternative rock, punk rock? Os punks teriam vergonha de ter influenciado este tipo de “cultura”.
Sim, digo “cultura” entre parênteses por que é um grupo de pessoas sem ideologia nenhuma. Nenhuma!!! Alguns dirão que o que acontece é que eu não conheço a forma de pensar deles. Pois bem. Postei uma vez um tópico numa comunidade chamada “Sou emo, e dai?”, onde eu afirmava isso, que eles são pessoas sem ideologia, guiadas pela moda tosca do momento, e que se alguém soubesse me explicar no que eles acreditam, ou pelo que eles lutam, eu calaria minha boca e nunca mais criticaria emo algum. Em uma comunidade com 12 mil membros sabe quantos me responderam? Nenhum. O cara podia ter dito que eles lutam por cirurgia plástica grátis par todos os ornitorrincos, ou algo do tipo, eu respeitaria, mas o fato é que nem isso eles fazem.
Um tempo atrás vi uma foto de um protesto de emos mexicanos, uma das cenas mais bizarras que já vi, mas pensei bom, pelo menos estão protestando, mas o protesto era apenas para que os skin-heads parassem de bater neles. Saudades do John Wayne, pra meter bala nesses cucarachas.
Até o estoque de maquiagem eles estão monopolizando: é o laquê da mamãe, o estojinho de maquiagem da irmã, e tal, tudo pra ficar com o cabelo na frente do olho e com o olho exposto preto. Talvez seja esse o motivo de tanto choro: cabelo bate no olho =Lágrimas.
Estamos fadados a ser dominados pelas franjinhas. Preparem-se: chorar pode ser a única saída.
Ah, e não podia deixar passar: Emo é o contrário de Ome.

5 comentários:

Kelvim Vargas Inácio disse...

Cara, sem comentários. Você poderia iniciar um tratado sobre o assunto. Muito bom!
Flw compadre. Abraço.

Marco Vicente Dotto Köhler disse...

bicho, teu texto é EMOcionante! hahaha.. não conseguiria dormir sem fazer esse trocadita idiolho (piorou agora haha)

isso aí!

ps.: nao vou mandar um abraço no fim do comentário para não ficar meio assim, como se diz... hmm EMO!

Flavia Melissa disse...

hahahaha
zé!
vc se superou nesse!
dEMOlingo tudo!
hahahahahaha

beijos e boa semana e ah!, as picts são ótimas, kkkkk

O ANTAGONISTA disse...

Nem me fale de Emos... quanto mais conheço, menos entendo e mais odeio. Mas não posso falar isso em público, posso ser acusado de emofobia... que é a mesma coisa de homofobia. rs...

Valeu.

O ANTAGONISTA disse...

Ahh... só esqueci de uma coisa... passei aqui por indicação da Flavia Melissa... é que escrevi um texto sobre o mesmo assunto lá no meu blog.

Valeu, abração.